• Clinica Santa Catharina

Vamos falar sobre as amígdalas

Atualizado: 22 de Jun de 2020

O que são As Amígdalas?

As amígdalas palatinas, também conhecidas por tonsilas palatinas, são órgãos de tecido linfoide. Elas fazem parte de um grupo de órgãos semelhantes chamado anel linfático de Waldeyer. São órgãos constituídos por aglomerados de tecido linfático, encontram-se na parte oral da faringe, localizados, portanto, no trajeto do sistema respiratório e digestório. Cada amígdala possui cerca de 20 invaginações que formam as chamadas criptas.

O anel linfático de Waldeyer

O anel linfático de Waldeyer é constituído pelo conjunto de tecido linfático localizado na faringe e compreende: amígdalas palatinas, amígdalas faríngeas ou de Luschka, amígdalas linguais, amígdalas tubáricas e nódulos linfóides da faringe. Essas estruturas foram assim agrupadas por apresentarem funções e histologia semelhantes.



Para o que servem as Amígdalas?

Elas fazem parte do sistema de defesa do organismo. Elas agem auxiliando o sistema imunológico, regulando e mediando a resposta contra agressões de agentes externos como vírus, bactérias etc. Localizam-se estrategicamente na garganta para atuar rapidamente contra invasores inalados ou deglutidos.

As amígdalas palatinas são mais ativas entre o 4- e o 10° anos de vida e involuem depois da puberdade.

Por que as Amígdalas inflamam?

Pela sua localização, sempre que um microorganismo como um vírus chega na garganta, a amígdalas é ativada e passa a produzir uma série de mediadores inflamatórios que irão auxiliar no combate ao invasor. Esses mediadores inflamatórios aumentam do fluxo sanguíneo local e causam a sensação de inchaço, inflamação.

Por que amígdalas grandes são ruins?

Se excessivamente grandes, podem alcançar a nasofaringe, gerando insuficiência velofaríngea e obstrução nasal. O mais comum, no entanto, é sua extensão à hipofaringe, gerando obstrução alta de vias aéreas e apnéia obstrutiva do sono (AOS). Sua localização anatômica faz com que as tonsilas palatinas estejam pouco associadas a doenças da tuba auditiva e dos seios paranasais. Porém, é freqüente a coexistência de amígdalas e adenóides aumentadas, o que confunde os sintomas das duas entidades. A cápsula da tonsila palatina é uma porção especializada da fáscia faringobasilar que recobre a superfície da tonsila e se estende dentro da mesma formando septações que conduzem nervos e vasos. A tonsila não é facilmente separada de sua cápsula, que encontra-se separada da musculatura faríngea por tecido conectivo frouxo, de fácil dissecção durante a amigdalectomia.

Como avaliar o tamanho da amígdala?

Para avaliar o tamanho da amígdala, podemos fazê-la de maneira direta, através da oroscopia. As amígdalas são facilmente detectáveis ao exame da cavidade oral, de preferência com o paciente sentado, a língua dentro da boca e o abaixador de língua pressionando o 1/3 anterior da língua, para evitar o reflexo de vômito e uma avaliação equivocada do tamanho das amígdalas. Nessa posição faz-se a avaliação de quanto da área respiratóra da luz da orofaringe está ocupada pelas amigdalas. Segue a classificação do tamanho das amígdalas pela Escala de Brodsky:

0: amigdalas dentro dos pilares amigdalianos

1: ocupação menor que 25% da luz de orofaringe

2: ocupação de 25% a 50% da luz de orofaringe

3: ocupação de 50% a 75% da luz de orofaringe

4: ocupação maior que 75% da luz de orofaringe

As amígdalas de tamanhos grau III e IV pela escala de Brodsky ,são consideradas hipertrofiadas. Devemos sempre nos lembrar de que, nos quadros de amigdalite aguda (dor ao engolir, febre, adinamia, hiperemia e aumento no tamanho das amígdalas), a hipertrofia é temporária e limitada ao período da infecção.





3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo